junho 16, 2011

A PERSEGUIÇÃO AOS PRIMEIROS CRISTÃOS parte 02

. junho 16, 2011
2 comentários

um tirano severo e cruel, que não favoreceu nem mesmo a própria 
mãe, nem poupou os seus sobrinhos ou os príncipes da cidade que 
eram seus conselheiros pessoais, preservando a vida de apenas dois 
ou três de vinte que eram. Suetônio relata que Tibério era tão duro 
por natureza e tão tirano que num único dia ele registrou o nome de 
vinte   pessoas   que   deveriam   ser   conduzidas   ao   local   da   execução.

Durante o seu reinado, por justo castigo de Deus, Pilatos, sob o qual 
Cristo fora crucificado, foi preso e enviado para Roma, deposto, de- 
pois banido da cidade para Vienne, em Dauphiny, onde acabou se 
matando. Agripa, o velho, também foi atirado na prisão por Tibério, 
mas em seguida foi-lhe restituída a liberdade.


 Depois da morte de Tibério, sucederam-se Calígula, Cláudio Nero 
e Domício Nero. Esses três foram igualmente flagelos do senado e do 
povo de Roma. O primeiro ordenou que ele mesmo fosse adorado 
como deus, que se erigissem templos em seu nome. Costumava sen- 
tar-se no templo entre os deuses, exigindo que imagens dele fossem 
expostas em todos os templos, inclusive no de Jerusalém. Tal fato 
causou grande confusão entre os judeus, e então a abominação da 
desolação de que se fala no evangelho começou a se estabelecer no 
lugar santo. A crueldade do seu caráter, ou então o seu descontenta- 
mento com os romanos, foi tal que ele desejava que todo o povo de 
Roma tivesse apenas um pescoço, para que ele, a seu bel prazer, pu- 
desse   destruí-lo   coletivamente.   Por   esse   mesmo   Calígula,   Herodes 
Antipas, que assassinou João Batista e condenou Cristo, foi condena- 
do ao exílio perpétuo onde morreu miseravelmente. Também Caifás, 
que com malícia interrogou Cristo, foi na mesma época removido da 
sala do sumo sacerdote, e Jônatas tomou o seu lugar.


 A ferocidade descontrolada de Calígula não cessou, não foi extir- 
pada pelas mãos do tribuno e de outros cavalheiros que o assassina- 
ram   no   quarto   ano   do   seu   reinado.   Depois   de   sua   morte   foram 
encontrados no seu gabinete dois livrinhos, um intitulado a Espada, o 
outro, o Punhal. Neles estavam escritos os nomes dos senadores e 
nobres de Roma que ele pretendia levar à morte. Além disso, foi en- 
contrado um cofre no qual estavam guardados diversos tipos de venno 

                                      
dentro de vidros e frascos, com a finalidade de destruir um espantoso 
número de pessoas. Mais tarde esses venenos, ao serem jogados ao 
mar, causaram uma grande mortandade de peixes. continua.............

leia mais »»

siga-me por email

2leep.com